Entrar Registrar

Acesse sua conta de usuário

Nome de usuário *
Senha *
Lembrar de mim

Criar uma conta

Todos os campos marcados com asterisco (*) são obrigatórios.
Nome *
Nome de usuário *
Senha *
Verificar senha *
Email *
Verifar email *
Captcha *
Reload Captcha

BBC Brasil - Notícias, vídeos, análise e contexto em português

06 Abril 2020

BBC Brasil - Notícias, vídeos, análise e contexto em português

    info03

G1 > Tecnologia e Games

06 Abril 2020

Últimas notícias de tecnologia e de games. Informações sobre internet, jogos, tv digital e lançamentos de produtos eletrônicos de última geração.
  • Elon Musk diz que fábrica da Tesla sofreu sabotagem de funcionário

    Empregado que não foi promovido teria feito mudanças no sistema de produção e enviado informações sigilosas para terceiros. Fábrica da Tesla na Califórnia, EUA Noah Berger/Reuters O presidente-executivo da Tesla, Elon Musk, afirmou em mensagem aos funcionários da montadora de carros elétricos que um empregado da companhia promoveu "extensa e danosa sabotagem" ao supostamente ter feito mudanças de código de programação do sistema de produção e enviado informações sigilosas da empresa para terceiros. A porta-voz da companhia, Gina Antonini, não comentou o email enviado por Musk aos funcionários na segunda-feira (18). Musk afirmou na mensagem, obtida pela Reuters, que descobriu sobre o suposto caso de sabotagem durante o final de semana. O suposto sabotador não foi identificado. "A extensão completa de suas ações ainda não são claras, mas o que ele admitiu até agora ter feito é muito ruim", escreveu o executivo. "A motivação declarada dele é que ele queria uma promoção que não recebeu." "Como vocês sabem, uma longa lista de organizações querem que a Tesla morra", disse Musk no email, afirmando que a relação inclui investidores em Wall Street, companhias petrolíferas e montadoras rivais de veículos. Ele não citou nome de nenhuma empresa. Elon Musk em conferência de imprensa em fevereiro de 2018 Joe Skipper/Reuters Mais cedo, na segunda-feira, Musk enviou uma outra mensagem aos funcionários relatando um "pequeno incêndio" ocorrido em uma instalação da Tesla no domingo. Esta mensagem também foi obtida pela Reuters. Na mensagem, a Tesla afirma que na noite de domingo houve um incidente na área de carrocerias, que não houve feridos ou danos significativos a equipamentos e que a produção já tinha retornado ao normal. A empresa não especificou o local do fogo. Musk afirmou no email que apesar do fogo não ter sido um evento aleatório, "fiquem alertas sobre qualquer coisa que não esteja entre os melhores interesses da nossa companhia". Na semana passada, Musk anunciou demissão de 9% da força de trabalho da Tesla. O futuro da Tesla depende do aumento da produção do Model 3, que é o modelo mais "popular" da marca até agora.
  • Golpistas distribuem extensões falsas do Chrome no Facebook

    A empresa de segurança Radware revelou que golpistas publicaram links no Facebook para disseminar extensões maliciosas para o navegador Google Chrome, do Google. Os links publicados no Facebook pelos usuários infectados levam uma página falsa que copia a aparência do YouTube, mas exige -- falsamente -- a instalação de uma extensão para reproduzir o vídeo.Segundo a Radware, foram infectadas 100 mil pessoas em 100 países diferentes. Os três países mais infectados eram as Filipinas, Venezuela e Equador. Juntos, os três eram responsáveis por 75% das contaminações.Pedido de instalação de extensão do Chrome sobre site com aparência copiada do YouTube (Foto: Radware)O Chrome só permite a instalação de extensões cadastradas na Web Store, que é mantida pelo próprio Google. Para conseguir listar as extensões maliciosas na loja, os golpistas copiaram extensões legítimas e injetaram um código extra, dando a aparência de uma extensão verdadeira. O nome do golpe, que a Radware batizou de "Nigelthorn", é baseado na Nigelify, uma extensão legítima para o Chrome que foi copiada pelos criminosos.Uma vez instalada, a extensão é capaz de realizar várias atividades, incluindo:- Roubar senhas de acesso ao Facebook/Instagram;- Publicar e enviar mensagens no Facebook/Instagram (o que é usado para atrair novas vítimas);- Mineração de criptomoeda, o que gera lucro para os invasores;- "Assistir" a vídeos no YouTube (de forma invisível) ou inscrever a vítima em canais sem autorização;- Redirecionar o navegador para abrir páginas específicas.As extensões maliciosas já foram removidas da Chrome Web Store, mas internautas devem ter cuidado ao instalar qualquer extensão do Chrome, especialmente quando o pedido da instalação vier de sites fora da Web Store.SAIBA MAISComo as extensões se tornaram o ponto fraco do ChromeMilhões de internautas baixam falso bloqueador de anúnciosDúvidas sobre segurança, hackers e vírus? Envie para Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
  • Certificado digital do Banco Inter é revogado após chave vazar na web

    Um certificado digital do Banco Inter, acompanhado da respectiva chave privada, foi publicado em um site na web e posteriormente revogado, segundo apuração do blog Segurança Digital. O banco Inter é o mesmo que está sendo investigado pelo Ministério Público do Distrito Federal após uma reportagem do site de tecnologia "TecMundo" afirmar que dados de vários correntistas da instituição foram obtidos em um possível ataque cibernético realizado por um invasor que teria tentado extorquir o banco cobrando um "resgate".O certificado digital por si não é capaz de provar que o ataque e o vazamento de dados ocorreram, mas esse certificado é parte da tecnologia responsável por proteger a comunicação dos correntistas do banco com o site da instituição (bancointer.com.br). Mesmo que um ataque não tenha ocorrido, ou que o ninguém tenha usado a chave para atacar clientes do banco, o caso levanta questões sobre as práticas de segurança da instituição financeira, pois, como é um dado sigiloso, essa chave não deveria ter sido exposta.SAIBA MAISBanco Inter: MP do DF apura suposto vazamento de dados de 300 mil clientesEm comunicado ao blog Segurança Digital, o Banco Inter reiterou que "não houve comprometimento da sua estrutura de segurança" e não comentou o vazamento e a revogação das chaves. Além do certificado vazado encontrado pelo blog, pelo menos outros dois certificados digitais do banco (um de 13 de abril de 2018 e outro de 26 de março de 2018) foram revogados. Dados no site da Comodo: certificado do Banco Inter de 18 de agosto foi revogado com motivo de 'chave comprometida' (keyCompromise). (Foto: Reprodução)Revogação ocorreu por 'chave comprometida'A norma de certificação digital na web estabelece 11 possíveis razões (numeradas de 0 a 10) para a revogação de um certificado. Entre as possíveis razões estão a de "motivo não especificado" (nº 0) e "certificado substituído" (nº 4). A justificativa de "chave comprometida" (nº 1), que consta para a revogação dos certificados do Banco Inter, é a mais específica sobre uma chave vazada, excluindo a possibilidade de outros problemas técnicos ou falhas nas empresas que concedem os certificados. Os certificados revogados são de duas empresas diferentes: GoDaddy e DigiCert.A autenticidade de um dos certificados, ao qual o blog Segurança Digital teve acesso, foi verificada através de uma propriedade matemática que pode ser conferida com registros públicos, sem a necessidade de testes on-line. Segundo o CRT.SH, um site da empresa de segurança Comodo que registra a utilização de certificados digitais com dados públicos, o certificado publicado na web estava em uso em 14 de outubro de 2017. Ele foi emitido em 18 de agosto de 2017 e seria válido até o mesmo dia de 2019, mas foi revogado no fim da sexta-feira (11).Veja aqui o certificado do Banco Inter no site da Comodo.Revogação de certificadoO site principal do Banco Inter usa um certificado diferente dos que foram revogados, emitido em 29 de abril pela DigiCert. Porém, se os certificados antigos estivessem válidos, golpistas poderiam criar sites clonados do Banco Inter caso pudessem redirecionar o acesso ao banco. Um cenário, por exemplo, seria o de redes Wi-Fi abertas. Essas redes são vulneráveis a ataques de redirecionamento, mas, caso criminosos tentem redirecionar um site de um banco em uma rede Wi-Fi aberta, o correntista receberá um alerta de segurança informando que o certificado do site não pôde ser verificado. Porém, como o certificado do Banco Inter vazou, é possível criar uma página clonada perfeita, usando o certificado legítimo do próprio banco.É por isso que certificados digitais que vazam precisam ser revogados, independentemente de ainda estarem ou não em uso.Não está claro se foi o banco que solicitou a revogação do certificado ou se alguém em posse dos certificados denunciou o vazamento às autoridades certificadoras.Dúvidas sobre segurança, hackers e vírus? Envie para Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
  • Windows: formatar o PC é a maneira mais eficiente de eliminar vírus?

    (Se você tem alguma dúvida sobre tecnologia, utilize o espaço para comentários abaixo e escreva sua pergunta)   >>> Formatar o PC é a maneira mais eficiente eliminar vírus?  Olá, Ronaldo! Eu tenho percebido que o meu PC está mais lento, e por esse motivo estou desconfiado que ele está com vírus. A minha dúvida é sobre se devo formatar o PC, essa é a maneira mais eficiente de resolver o problema? Nelson   Olá, Nelson! A reinstalação do Windows, deve ser o último recurso a ser recorrido para a resolução de problemas do PC. A "formatação" resolve praticamente todos os problemas, pois através dela o sistema será reinstalado como se o PC tivesse saído da fábrica. Porém, esse procedimento não permitirá que seja feito um diagnóstico sobre o problema, e por esse motivo não será possível criar uma rotina de prevenção. Alguns técnicos de informática preferem adotar essa estratégia, porque ela é menos dispendiosa, mas não significa que seja a melhor maneira de eliminar vírus.   >>> Cabo USB genérico pode estragar o celular? Usar cabo USB genérico pode comprometer o carregamento da bateria do celular ou estragar o celular? Mônica   Olá, Mônica! Usar cabo USB de procedência duvidosa pode representar um risco de acidente, quando for de baixa qualidade. Isso não significa que ele irá danificar o celular só por ter sido usado, o problema é que o carregamento total da bateria poderá demorar mais do que o necessário. A durabilidade de cabos genéricos tende a ser inferior, devido a qualidade do material utilizado. É possível identificar cabos e carregadores defeituosos, através de um aplicativo. A coluna Tira-dúvidas de tecnologia já mostrou em detalhes como usá-lo, confira a dica completa nesse link (aqui).   >>> Como desbloquear o IMEI de celular que foi recuperado? Olá, Ronaldo! Eu perdi o meu celular e fui na delegacia fazer o boletim de ocorrência, mas consegui acha-lo depois. Então voltei lá e pediram a liberação do aparelho, porém já faz um mês isso e até agora o aparelho permanece bloqueado. Como devo proceder? Nicole Figueiredo   Olá, Nicole! Em teoria o procedimento deveria ser simples e ágil. Bastaria você ir numa loja da sua operadora de telefonia, fazer a solicitação do desbloqueio e fornecer os seguintes dados:  - Informar o número da linha; - RG e CPF do proprietário do titular da linha; - Nota Fiscal da compra do aparelho;   Se você não obtiver sucesso, canal de comunicação mais eficiente para que o problema resolvido é registrando queixa na ANATEL nesse link (aqui). Após a reclamação a Agência irá intermediar o processo com a sua operadora de telefonia.     Imagem: Reprodução/G1
  • Pesquisador acha 5 mil roteadores de internet sem senha no Brasil

    Segundo um pesquisador de segurança, cinco mil roteadores da marca Datacom possivelmente em uso por clientes da operadora Oi estão vulneráveis a acesso remoto por meio do protocolo "Telnet", pois esses equipamentos, de fábrica, aparentemente não possuem uma senha configurada nesse tipo de acesso. Os equipamentos são fornecidos a clientes para permitir o acesso à internet.Com acesso à configuração do roteador, um hacker poderia fazer alterações para redirecionar os clientes a páginas falsas, entre outros ataques. De acordo com o pesquisador Ankit Anubhav, que enviou os dados da sua pesquisa ao site de segurança "Bleeping Computer", os equipamentos vulneráveis eram três modelos da Datacom: DM991CR, DM706CR e DM991CS. Para resolver o problema, é preciso filtrar ou modificar a configuração do telnet nesses roteadores.Procurada, a Oi informou que está analisando o fato para tomar as medidas cabíveis.O manual do DM991CR, consultado pelo blog Segurança Digital, confirma que o aparelho possui acesso telnet e que ele não tem senha por padrão. Não está claro se o telnet vem habilitado de fábrica, mas uma linha no manual afirma que o acesso telnet é possível "se não for a primeira vez que o equipamento estiver sendo ligado e o endereço IP de uma das interfaces Ethernet já estiver configurado corretamente" -- ou seja, não parece ser necessário habilitar o telnet antes de utilizá-lo. A Datacom, fabricante dos equipamentos, afirmou, por telefone, que "possui contratos de confidencialidade e não pode se posicionar sobre as redes de clientes". Quando foi explicado que a dúvida não era sobre as redes de clientes e sim sobre a configuração de fábrica do produto, a representante da companhia reafirmou que "esse é o posicionamento da empresa".TelnetO Telnet é um antigo procolo de comunicação, amplamente utilizado em terminais e conhecido para seu uso em administração remota de equipamentos de rede e até computadores.Seu uso na maioria das aplicações é considerado obsoleto, pois é preferível que seja utilizado o muito mais seguro Secure Shell (SSH). Diferentemente do Telnet, o SSH prevê a criptografia do tráfego, o que aumenta a confiabilidade e a confidencialidade da conexão.Os equipamentos da Datacom também são compatíveis com SSH, mas muitos equipamentos da "internet das coisas" possuem apenas Telnet.SAIBA MAISNovo ataque à 'internet das coisas' registra atividade no BrasilPor que a 'internet das coisas' hoje é tão insegura?Imagem: Cabo de rede (Foto: Anders Engelbol/Freeimages.com).Dúvidas sobre segurança, hackers e vírus? Envie para Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
  • 'Mensagens bomba' travam WhatsApp e iMessage

    Usuários estão relatando na web sobre um novo tipo de "mensagem bomba" capaz de travar o WhatsApp no Android e também o iMessage, no iPhone. A mensagem parece consistir de apenas quatro palavras, um emoji e pontuação, mas o texto esconde diversos caracteres especiais que tornam a mensagem aproximadamente 2,4 mil vezes maior do que ela deveria ser.Segundo o blog Naked Security, da fabricante de antivírus Sophos, a mensagem contém caracteres especiais de mudança de direção. Esses são marcadores invisíveis e especiais no texto que podem mudar a direção das letras, o que é necessário em alguns idiomas que são escritos da direita para a esquerda. A "mensagem bomba" que trava o WhatsApp possui centenas desses marcadores, cada um deles mudando a direção sem incluir texto nenhum entre eles. Dessa forma, a mensagem parece ser um texto qualquer.Mensagem deveria ter menos de 50 bytes, mas supera os 118 KB (120 mil bytes) e possui mais de 40 mil caracteres invisíveis. Outra versão da mensagem possui um círculo preto que, se for tocado, trava o aplicativo. (Foto: Reprodução)Não se sabe se mais algum aplicativo além do WhatsApp e do iMessage estaria vulnerável. O blog Segurança Digital procurou o WhatsApp e a companhia ainda não preparou um pronunciamento sobre o caso.Mensagens, textos e letras "bomba" são aquelas que se aproveitam de algum problema no processamento de textos em aplicativos para causar efeitos indesejados. Na maioria dos casos, o resultado é o travamento do dispositivo. No entanto, os resultados podem ser mais sérios. A "letra bomba" que ficou conhecida em fevereiro por travar o iPhone era capaz de deixar até computadores com macOS incapazes de abrir o painel de Wi-Fi caso alguma rede tivesse letra em seu nome.SAIBA MAISLetra bomba pode travar iPhone e Macs da AppleEsse tipo de problema ocorre principalmente por causa dos vários detalhes envolvidos na exibição de texto universal ("Unicode"), que é compatível com a maioria dos sistemas de escrita em uso no mundo. Ele substituiu os sistemas específicos que eram usados para cada idioma, o que permite que um conjunto de texto tenha caracteres de vários idiomas sem a necessidade de usar sistemas diferentes para processar cada trecho.Até os aplicativos serem atualizados, a recomendação é evitar interagir com essa mensagem, caso ela seja exibida. Segundo relatos de usuários no site "Reddit", a mensagem já está sendo bloqueada em alguns casos.Dúvidas sobre segurança, hackers e vírus? Envie para Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

 edu01

G1 > Educação

06 Abril 2020

Últimas notícias sobre vestibular, Enem, Sisu, ensino básico, médio ou superior no Brasil, além das novidades e estudos na área de educação.
  • Universidades federais da Zona da Mata e Vertentes adotam medidas orçamentárias para pesquisas da Covid-19

    Laboratórios da UFV foram credenciados para realizar testes da doença. Instituições também produzem álcool em gel e máscaras. Veja outras ações. Testes do novo coronavírus serão realizados na Universidade Federal de Viçosa Reprodução/TV Globo Com o avanço do novo coronavírus, as Universidades Federais da Zona da Mata e Campo das Vertentes começaram adotar medidas orçamentárias para realizar pesquisas sobre a Covid-19 e ações para ajudar a sociedade. Para saber quais providências foram tomadas, o G1 entrou em contato com a assessoria da Universidade Federal de Viçosa (UFV), Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) e Universidade Federal de São João del Rei (UFSJ). Veja abaixo o posicionamento de cada uma delas. No início do ano, o G1 mostrou que a previsão orçamentária das universidades federais das regiões era menor em 2020. Na ocasião, as instituições informaram que a verba seria utilizada para manutenção e pagamentos dos servidores das instituições de ensino. Instituições Universidade Federal de Viçosa Universidade Federal de Viçosa, UFV UFV/Divulgação Em nota, a UFV informou que não houve modificações no orçamento. "Boa parte das despesas são de caráter continuado, como o pagamento de terceirizados, por exemplo, água, energia, etc. Os possíveis remanejamentos irão aguardar o cenário do país, envolvido na pandemia", explicou a instituição. No dia 7 de fevereiro deste ano, a UFV e o Ministério da Educação, divulgaram que a previsão orçamentária para 2020 na universidade, era de R$ 817.643.658. Em 2019, o valor foi de R$ 916.086.098. A redução no comparativo entre os dois anos foi de 10,75%. Em relação as pesquisas sobre a Covid-19, a UFV informou que vai buscar financiamento junto a empresas privadas e doações, via Fundação Arthur Bernardes (Funarb). Pesquisas e testes da Covid-19 Sobre pesquisas em relação ao novo coronavírus, a UFV explicou que ainda não existe um trabalho específico. "Colocamos à disposição da sociedade, por meio da Prefeitura, Estado e Brasil, toda a infra-estrutura de pesquisa". Nesta semana, seis laboratórios da instituição foram credenciados pela Fundação Ezequiel Dias (Funed) para realizar testes de detecção da Covid-19. A expectativa é de que sejam feitos em torno de 200 testes por dia, liberando os resultados em até 48 horas. Os locais aguardam a chegada dos insumos para iniciar a realização dos trabalhos. Além disso, o doutorando em Física pela UFV, Wesley Cota, desenvolveu uma plataforma, através de um grupo de pesquisa da Universidade de Zaragoza, na Espanha, que mostra dados do coronavírus em diversos países. O mapa pode ser acessado através do link. Ações de combate Em relação as ações de combate, a instituição ressaltou que a "a UFV tem sido fundamental no enfrentamento da Covid-19 não apenas em Viçosa, mas em toda a região". Confira abaixo algumas medidas: Pesquisadores da UFV produzem equipamentos de proteção individual: o grupo confecciona um tipo máscara de proteção - face shield - a partir da utilização de quatro impressoras 3D da universidade, dos departamentos de Física, Arquitetura e Urbanismo, Engenharia Elétrica e Engenharia de Produção e Mecânica; Produção e doação de álcool para os hospitais e unidades de saúde: nos próximos 15 dias, a UFV deverá produzir cerca de três mil litros de álcool líquido 70% para ser usado por pessoas que estão trabalhando nos serviços essenciais da instituição; Treinamento para profissionais de saúde: o Departamento de Medicina e Enfermagem da UFV tem oferecido treinamentos para profissionais de saúde de Viçosa no uso de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) e biossegurança dos hospitais para enfrentamento de doenças causadas por vírus; Empréstimo de respiradores e outros equipamentos médicos: o Hospital Veterinário da UFV e o Agros disponibilizaram equipamentos médicos para serem usados nos hospitais de Viçosa durante a pandemia do novo coronavírus. Os aparelhos serão utilizados para o tratamento de possíveis casos de Covid-19 no município. Impactos Ao G1, o pró-reitor de Ensino da UFV, João Carlos Pereira da Silva, analisou sobre os possíveis consequências da pandemia. "Não temos, no momento, como avaliar precisamente os impactos decorrentes da pandemia pela Covid 19 na medida em que não temos clareza de quanto tempo irá durar a suspensão das atividades. Caberá aos Colegiados Superiores, no momento oportuno, reformular os Calendários Escolares e, se for o caso, proceder à reposição integral dos dias letivos, preservando os interesses institucionais e o padrão de qualidade dos seus cursos". Universidade Federal de Juiz de Fora Campus em Juiz de Fora da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) Carlos Mendonça/Prefeitura de Juiz de Fora Apesar da UFJF suspender o calendário acadêmico, a instituição informou que "está sendo utilizada a parte de orçamento de custeio existente e liberada". Também no início do ano, a assessoria divulgou ao G1, que a quantia esperada para 2020 era de R$ 909.970.080. Sobre a quantia investida em pesquisas, a Universidade explicou que está usando o orçamento de custeio para fazer investimentos em uma série de elementos que envolvem o combate ao novo coronavírus. Veja alguns: Compra de testes da Covid-19; Melhoria em laboratório para realização dos testes, produção de álcool gel pela Farmácia Universitária; Disponibilização de insumos já disponíveis em almoxarifado, como EPIs, para o Hospital Universitário (HU) e para os trabalhadores envolvidos na campanha de vacinação contra a gripe (H1N1, H3N2 e influenza B). Em nota, a UFJF afirmou que como o local "passa por um momento de suspensão de atividades presenciais não essenciais, ela tem autonomia para utilizar recursos de custeio para fins emergenciais". Pesquisas Atualmente, a UFJF conta com 35 projetos de pesquisa em desenvolvimento que tratam de pandemias em geral, sendo alguns específicos sobre a Covid-19. Na última semana, o G1 mostrou uma série de pesquisas que são realizadas na instituição, como de pesquisadores que criaram 'Disque Coronavírus' e de criação de viseira de proteção contra a doença. Ações de combate A UFJF tem desenvolvido uma série de ações contra o novo coronavírus. Confira abaixo algumas: Criação de um projeto de suporte para comunidade acadêmica no exterior; Projeto que oferece atendimento psicológico aos profissionais do HU; Produção e distribuição de álcool em gel para serviços de saúde; Pesquisas da UFJF estão auxiliando a prefeitura no combate à pandemia na cidade. Além disso, a equipe de jornalismo da Diretoria de Imagem Institucional está mobilizada no enfrentamento à Covid-19, produzindo conteúdo junto a comunidade acadêmica. Entrevistas e materiais estão reunidos neste link. Impactos Em relação aos impactos, a universidade se pronunciou através de uma nota enviada ao G1. Veja na íntegra. Toda a comunidade acadêmica é impactada. Para os estudantes o primeiro impacto é que, no retorno das atividades presenciais, pode haver um prejuízo temporal, especialmente para os estudantes que estarão em condição de colar grau, pois ainda não se tem um prazo para a retomada das aulas. Por outro lado, apesar da suspensão do calendário, estará garantida aos estudantes a qualidade da formação, seja na manutenção dos 200 dias letivos anuais fixados em lei, seja na retomada das atividades presenciais de ensino, pesquisa, extensão, cultura e inovação que são devidas no currículo. Para professores e técnico-administrativos em educação, a suspensão impacto nas atividades do cotidiano do trabalho que não podem ser feitas presencialmente devido ao contato social. O G1 entrou em contato com a Universidade Federal de São João del Rei, mas até última atualização desta matéria, não houve retorno.
  • Toffoli autoriza MPF a cobrar valores do Fundef que União deve a estados e municípios

    Disputa judicial começou em 1999; governo federal argumenta que não cabe ao MP entrar com ações. Presidente do STF diz que verba poderia ajudar a reduzir falhas na educação básica. O presidente do STF, Dias Toffoli, durante discurso na sessão de abertura do ano legislativo no Congresso Will Shutter / Câmara dos Deputados O presidente do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli, autorizou o Ministério Público Federal (MPF) a cobrar da União o pagamento de verbas complementares do extinto Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério (Fundef). Os valores, não divulgados, são referentes ao período entre 1998 e 2006 e deveriam ter sido pagos a estados e municípios para complementar investimentos no ensino fundamental. O fundo foi precursor do atual Fundeb, que reúne verbas para todo o ensino básico (infantil, fundamental e médio). Toffoli atendeu a um pedido do MPF e derrubou decisão liminar (provisória) do desembargador Fábio Prieto, do Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF-3). Prieto tinha suspendido os efeitos de um julgamento do TRF-3 que mandou liberar os pagamentos. Essa decisão chegou a ser mantida pela ministra Cármen Lúcia, do STF, em um primeiro momento. O MPF voltou a recorrer e, nas mãos de Toffoli, o quadro se inverteu. Na decisão, o atual presidente do STF afirmou que o Supremo tem entendimento pacificado de que há plena vinculação das verbas do Fundef, exclusivamente, ao uso em educação pública e a nenhum outro fim. O ministro afirmou que é mais razoável permitir a atuação do MPF contra a União do que exigir que todos os beneficiários constituam patronos para a defesa de seus interesses. Segundo o ministro, “a delonga em formalizar-se esse pagamento, inegavelmente gera lesão à ordem pública e administrativa dos credores de tais valores, posto que, por cuidar-se de verba cuja utilização está vinculada à educação pública, poderia ser, desde logo, utilizada para implementar melhorias nesse setor sempre tão carente da Administração Pública, na maioria dos municípios e estados brasileiros", escreveu. “Uma educação falha, de baixa qualidade, é uma das causas do retardo no desenvolvimento do país, desenvolvimento esse que apenas pode ser almejado com a formação de cidadãos aptos ao exercício de seus direitos e à efetiva colaboração para o engrandecimento da nação”, disse. Disputa de décadas A disputa judicial em torno dos valores se arrasta desde 1999, quando o MPF ajuizou uma ação civil pública para cobrar a verba da União. Em 2015, a Justiça Federal e o TRF-3 condenaram a União e determinaram a execução da dívida. A União recorreu, argumentando que nem a Justiça Federal teria competência para julgar o conflito, nem o MPF teria legitimidade para representar os estados e municípios no pedido de execução das dívidas. Foi em cima desse recurso que o desembargador Fábio Prieto suspendeu a cobrança das verbas. A partir daí, os recursos foram levados ao Supremo Tribunal Federal.
  • Coronavírus: Unesp de Araraquara começa realizar testes para diagnóstico de Covid-19

    Cidade tem sete casos confirmados da doença, entre eles, uma morte confirmada de um homem de 81 anos. Unesp de Araraquara começa realizar testes para diagnóstico de Covid-19 A Faculdade de Farmácia da Universidade Estadual Paulista (Unesp), em Araraquara (SP), começa nesta sexta-feira (3) a realizar os exames para diagnosticar a Covid-19. Na região, são mais 260 casos suspeitos aguardam por exames, enquanto no Brasil são mais de 25 mil. Araraquara tem sete casos confirmados da doença, entre eles, uma morte confirmada de um homem de 81 anos. Até a última atualização, na noite desta quinta-feira (2), são registrados 33 casos suspeitos que aguardam exames, dos quais 13 estão internados. Análises de amostras Cientista chinesa realiza teste para identificar coronavírus em universidade de Pequim Thomas Peter/Reuters A prefeitura informou que entregou na quinta-feira os kits para os testes de coronavírus ao Laboratório de Imunologia Clínica e Biologia Molecular do Departamento de Análises Clínicas da FCL, que fará a análise das amostras de pacientes suspeitos, internados nos hospitais da cidade e no Hospital Regional de Américo Brasiliense. "Com isso, os resultados desses exames serão disponibilizados dentro de um prazo de 24 horas, após a coleta das amostras, o que é extremamente importante no enfrentamento da doença e tratamento dos pacientes”, disse a secretária municipal de Saúde, Eliana Honain. O laboratório da Unesp foi credenciado pelo Ministério da Saúde para a realização dos exames. Além da Unesp de Araraquara, os campi de Botucatu e de São José do Rio Preto também farão os testes para diagnosticar a doença, além de unidades da Universidade de São Paulo (USP) e da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Dicas de prevenção contra o coronavírus Arte/G1 Initial plugin text Veja mais notícias da região no G1 São Carlos e Araraquara.
  • MEC abre cadastro para estudantes de medicina, enfermagem, farmácia e fisioterapia atuarem no combate ao coronavírus

    Selecionados receberão bolsa de até um salário mínimo. MEC convoca estudantes da área da saúde para ajudarem no combate à pandemia do novo coronavírus. Marcos Santos/USP Imagens O Ministério da Educação (MEC) está com o cadastro aberto para que estudantes de medicina, enfermagem, farmácia e fisioterapia atuem no combate ao coronavírus. A inscrição poderá ser feita no endereço eletrônico http://sgtes.unasus.gov.br/apoiasus/ . Os selecionados receberão uma bolsa de um salário mínimo, para estágios de 40 horas, e meio salário mínimo, para estágios de 20 horas. Os selecionados vão atuar em estabelecimentos de saúde do Sistema Único de Saúde (SUS). O estudante convocado receberá um email e terá até 48 horas para se apresentar no estabelecimento de saúde indicado. Segundo o MEC, "os estudantes também poderão atuar nas áreas de clínica médica, pediatria e saúde coletiva, de acordo com as especificidades de cada curso." Os estudantes de medicina interessados deverão estar cursando o 5º ou 6º ano de curso. O cadastro de alunos de enfermagem, farmácia e fisioterapia está aberto para estudantes do último ano do curso. Segundo o MEC, "a medida tem o objetivo de fortalecer o enfrentamento ao novo coronavírus com o apoio excepcional e temporário dos alunos da área de saúde". Convocação de profissionais da saúde O Ministério da Saúde convocou, nesta quinta-feira (2), profissionais de 14 categorias da área da saúde para realizar capacitação, em caráter emergencial, para trabalhar pelo Sistema Único de Saúde (SUS) no combate ao novo coronavírus (Sars-Cov-2). Entre eles, estão médicos, enfermeiros, psicólogos, fisioterapeutas, assistentes sociais, profissionais de educação física e veterinários. PODCAST VÍDEO Pandemia do novo coronavírus supera um milhão de infectados em todo o mundo Initial plugin text
  • Coronavírus: UFSCar amplia medidas protetivas para residentes na moradia estudantil

    Ações também valem para o campus de Sorocaba. A proteção e segurança de estudantes indígenas também são prioridades. Moradia estudantil da UFSCar Cain Rodrigues/CCS UFSCar A Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) ampliou seu plano de contingenciamento para enfrentar o novo coronavírus e focou em medidas protetivas para alunos indígenas e residentes nas moradias estudantis dos campi de São Carlos e Sorocaba (SP). As decisões ocorreram durante reunião entre a Reitoria, a Pró-Reitoria de Assuntos Comunitários e Estudantis (ProACE), a Pró-Reitoria de Administração (ProAd) e os membros do Comitê de Controle e Cuidados ao coronavírus. São Carlos tem 29 casos suspeitos de Covid-19 em isolamento domiciliar, além de outros 26 internados também com suspeita da doença. Dois casos foram confirmados na cidade. Medidas Segundo a assessoria de comunicação da UFSCar, alunos da moradia estudantil terão alta prioridade. As ações para uma cobertura preventiva, assistencial e de vigilância da saúde serão conduzidas pela ProACE, em parceria com o Comitê e com participação ativa dos estudantes. “Reuniões remotas e gravações em vídeos levarão informações sobre as ações relacionadas à Covid-19”, informou a assessoria da UFSCar. Campus da UFSCar em São Carlos Reprodução/EPTV Ainda segundo a assessoria, a universidade está buscando oferecer ajuda de custo para o retorno dos estudantes em vulnerabilidade social para as moradias de origem, especialmente estudantes indígenas. “Também ficou definido que o Departamento de Atenção à Saúde (DeAS) oferecerá o serviço de teleatendimento, encaminhando os casos suspeitos de Covid-10 aos órgãos de saúde do município e/ou do Estado”, disse a assessoria. De acordo com a reitora da UFSCar, Wanda Hoffmann, todos os procedimentos e ações são revisados diariamente. As rotinas de trabalho dos servidores, docentes, técnico-administrativos, estagiários e terceirizados da comunidade estudantil também foram ajustadas. "Esta é uma situação nova para todos. Suspendemos aulas e atividades presenciais até o momento em que pudermos fazer isso com segurança. Devemos sempre priorizar a vida. Este posicionamento é o que sempre nos leva a agir, enquanto instituição", afirmou a reitora. Caso seja necessário atendimento o Departamento de Atenção à Saúde (DeAS) está disponível no (16) 3351-8200, das 8h às 12h e das 14h às 18h. Veja mais notícias da região no G1 São Carlos e Araraquara.
  • Laboratórios da UFV em Viçosa e Rio Paranaíba são habilitados pela Funed para realizar testes do coronavírus

    Informação foi divulgada nesta quinta-feira (2) pela SES-MG. Locais aguardam a chegada dos insumos para iniciar a realização dos trabalhos. Sede da Universidade Federal de Viçosa (UFV) em Viçosa UFV/Divulgação A Fundação Ezequiel Dias (Funed) autorizou que a Universidade Federal de Viçosa (UFV) comece a realizar teste para detecção do novo coronavírus. A informação foi divulgada desta quinta-feira (2) pela Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG). No dia 23 de março, o G1 mostrou que a instituição havia coloca os laboratórios à disposição do Governo de Minas. De acordo com a Funed, seis laboratórios, sendo cinco no campus de Viçosa, na Zona da Mata, e outro em Rio Paranaíba, no Alto Paranaíba, estão entre os 19 credenciados pelo Estado. Os locais aguardam a chegada dos insumos para iniciar a realização dos testes. Conforme a UFV, a expectativa é de que sejam feitos em torno de 200 testes por dia, liberando os resultados em até 48 horas. O exame autorizado é o RT-PCR em tempo real, no qual é coletada uma amostra de secreção nasal e da garganta do paciente. Equipe A UFV vai realizar as análises das amostras de pacientes com suspeita de coronavírus nos seguintes locais: Laboratório de Vírus, sob coordenação da professora Poliane Alfenas Zerbini (DMB); Laboratório de Ecologia e Evolução de Vírus, coordenado pelo professor Francisco Murilo Zerbini (DFP); Laboratório de Imunobiológicos e Virologia Animal, coordenado pelo professor Abelardo Silva Júnior (DVT); Laboratório de Genética Ecológica e Evolutiva, no campus de Rio Paranaíba, coordenado pelos professores Rubens Pasa, Karine Kavalco e Pedro Ivo Good God. Os pesquisadores esclarecem que a realização dos testes não implica em risco para a UFV uma vez que as coletas de materiais para exames são realizadas por médicos e outros profissionais de saúde nas unidades de atendimento. "Após a coleta, antes de ser transportada para o laboratório, a amostra a ser analisada recebe uma solução que destrói o envelope de lipídeo, inativando o vírus”, explicou o professor Murilo Zerbini. Além dos testes para determinar se pacientes estão infectados, os laboratórios também têm estrutura para realizar o sequenciamento do genoma do coronavírus. "Este trabalho ajuda a elucidar questões relacionadas a dispersão e a evolução desse vírus que podem embasar decisões relacionadas a medidas de contenção da epidemia", informou a professora Poliane Zerbini. Initial plugin text

Previsão do Tempo

Calendário Educação

Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Dom
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Videos de TI

Contador de Visitas

949920
Hoje
Ontem
This Week
Last Week
This Month
Last Month
Todos os dias
318
1649
1967
935077
8941
70579
949920

Your IP: 3.233.220.21
2020-04-06 05:13